NOVEMBRO 2021

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS

1. O Orçamento do Estado não era propriamente a questão, mas foi a oportunidade para dar por concluída a missão da “geringonça”… Já se previa!

Firmado em 2015, imaginava-se que o suporte parlamentar de apoio ao Governo teria de ser conjuntural e não se poderia eternizar. No seu seio coexistiam contradições que não podiam ser ignoradas.  Por isso - e bem - o então Presidente da República exigiu um compromisso escrito que garantisse alguma estabilidade e alguma coerência na legislatura. E funcionou…

Mas o compromisso não eliminava prováveis perigos:

- Possível inviabilização de uma alternativa credível de maioria parlamentar – e para a democracia não é saudável a inexistência de alternativas válidas…

- Excessiva subjugação de partidos com menor expressão à estratégia de um partido maioritário – talvez por isso mesmo é que, no dealbar desta legislatura, agora interrompida, apareceram mais três partidos com assento parlamentar…

- Tentação de desagregação de conteúdos programáticos de alguns partidos – e não há democracia com unicidade ideológica e sem participação…

Se na legislatura anterior o Presidente exigira a assinatura de um documento de garantia, nesta legislatura tal já não foi imposto porque para o previsto e ameaçado divórcio incomodaria qualquer papel assinado...

O Orçamento do Estado foi, então, a oportunidade para dar por cumprida e finda a missão da “geringonça”. Se a geringonça tinha alma, como foi afirmado no Parlamento: “paz à sua alma”!

Mas atenção: por cada geringonça que morra outra poderá nascer. A ver vamos…

2. Na prática, o apresentado Orçamento do Estado para 2022 não chegou a ser discutido. Discutidas sim foram outras questões que até não teriam muito a ver com ele. Questões sérias, sem dúvida, e que, provavelmente, serão retomadas.

Mas foi pena que o OE não fosse discutido. Se não fosse por mais, para ver que urge começar a ser ultrapassado um defeito congénito de todos os orçamentos do Estado…

No que ao Sector Social Solidário diz respeito, o OE que foi apresentado não parecia omisso. Mas era perigoso. Não era omisso porque aí se previam apoios para a construção de mais equipamentos sociais, nomeadamente para apoio à infância, às pessoas com deficiência e aos idosos. E são necessários mais equipamentos, como também são necessárias mais remodelações de equipamentos e é necessária uma muito maior simplificação de procedimentos. Era sabido e dito, mas a pandemia destacou tais necessidades. E, louve-se o facto de no apresentado OE não se cair na tentação de situar os novos equipamentos em redes exclusivamente públicas como alguns pretenderiam.

Claro que também são necessários equipamentos públicos. Mas a experiência portuguesa faz sobressair a importância da subsidiariedade: a comunidade tem mostrado uma grande agilidade e vontade de se mobilizar para agir. E age muito bem: com perfeita capilaridade e com grande qualidade. Também com muito menores custos e uma muito maior proximidade. Como convém nas respostas sociais que o devem ser de proximidade.

Mas falta dar alguns passos: erguer novos equipamentos sociais é importante, mas isso não é o mais difícil apesar de ser urgente. Mas, sobretudo, é imperioso e urgente consolidar um Sector que corre sérios riscos de insustentabilidade. E, aqui, o Estado tem obrigações que não pode alienar. O Estado não pode confiar tudo ao Sector Social e Solidário e lavar as mãos das suas responsabilidades. E a proteção social é uma das inalienáveis obrigações do Estado.

O Estado não pode limitar-se a aliciar as Instituições para que sejam erguidos novos equipamentos: precisa também de proporcionar condições às Instituições para uma sã exploração… Para que elas não se desviem da sua missão de privilegiar os mais carenciados. As dificuldades das Instituições fazem-se sentir mais na gestão quotidiana do que na construção de novos equipamentos…

3. No dia 30 de janeiro temos eleições legislativas. Entretanto, é este o tempo para os Partidos resolverem as suas questões internas, estabelecerem os seus programas eleitorais e elaborarem as suas listas. Depois o povo escolherá a composição do Parlamento. E o que o povo decidir fica bem decidido.

Nesta fase, quando se elaboram programas, é importante que todos os Partidos encarem de frente a questão das obrigações do Estado na proteção social. Não tenhamos dúvidas: a diminuição da natalidade e o aumento da esperança de vida obrigam-nos a encarar e a percorrer novos caminhos para uma proteção social sustentada. As necessidades aumentam e os recursos são escassos.

A consolidada experiência portuguesa prova que a comunidade funciona muito bem no que à proteção social concerne. E aqui, quem ainda ousa fantasiar com a estatização das respostas sociais deve arrepiar caminho. O que urge é que o Estado dê meios para as comunidades funcionarem como tão bem o têm feito.

A CNIS não se envolve de modo algum na disputa eleitoral. Mas, responsavelmente não deixa de chamar a atenção das obrigações do Estado no que concerne à proteção social. E três ideias não pode deixar de sublinhar e propor aos Partidos para as considerem nos seus programas eleitorais:

- Consolidação do modelo português em que o Estado contratualiza proteção social com Sector Social Solidário, para o que não deixa de ser oportuna a revisitação do Pacto de Cooperação para a Solidariedade, celebrado precisamente há 25 anos.

- Previsão de um imposto para a proteção social.

- Revisão do regime fiscal: as Instituições de Solidariedade não têm fins lucrativos e prestam serviço público, privilegiando os mais necessitados.

Um próximo Orçamento do Estado já deve ser inovador...

Lino Maia

 

Data de introdução: 2021-11-10



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...